segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Acho que sou três.

(Imagem retirada do blog: http://baudefragmentos.blogspot.com/2010/04/margarida-da-serie-flores.html)
Primeiramente, sou. Não sou sempre, mas acho que embora seja a essência, é o que vem depois do primeiro, é o resultado que embora todos tenham, poucos sabem fazer, ou melhor, ser. Essa sou eu que mais dói.
Então, posso dizer também que existo e que existir nem dói tanto assim. É uma máscara fascinante que ostento… retificando… é uma máscara reles que de forma fascinante ostento, pela qual me faço ver primeiramente.
Por último, vem a mais interessante de mim… é a que é, mas numa sutileza que chega a dar medo de tão simples, viva e bela. É quando sinto a felicidade correndo no meu sangue. É quando me fundo ao mundo. É quando sou de um jeito diferente, nem doloroso e nem simplesmente existindo. É quando sou e sinto verdadeira satisfação e prazer por ser e existir, apesar de.
Na maior parte do tempo, sou a segunda descrição. Em boa parte do restante, sou a primeira. E raros são os momentos em que consigo escalar minha alma ao ponto de ser a terceira…
Pensando bem, acho mesmo é que sou várias e me resumi demais, me resumo demais… talvez sou muitas mais… o que não quer dizer que eu seja muito mais…

3 comentários:

  1. Não somos sempre, não é mesmo?
    Temos máscaras que nos sustentam e devemos estar abertos a nos conhecer e nos desvendar, mesmo que pareça impossível. É bom ser "muitas mais", sem querer ser "muito mais"!

    bj

    Betha

    ResponderExcluir
  2. Desejo que seus dias,sejam iluminados pela essência Divina,com Boas Energias Sempre!
    Abraços
    Mari

    ResponderExcluir
  3. Eu sou errado e covarde e triste / intelectual / feliz e usando um cachecol. Não importa qual dos três eu seja, eu estou sempre sozinho, e isso faz de mim mais do primeiro e menos dos outros dois.
    É ruim quando tem no mundo uma mulher que sofre e escreve. Pra mim tem um quê de não ser justo.

    ResponderExcluir